Negócios

Venda de cervejas ‘premium’ cresce 18% em 2011 no Brasil, diz relatório

Venda de cervejas ‘premium’ cresce 18% em 2011 no Brasil, diz relatório

As vendas de cervejas “premium” – que incluem marcas internacionais, edições limitadas ou produtos artesanais – cresceram 18% no Brasil em 2011, na comparação com o ano anterior, enquanto o segmento standard, composto principalmente por marcas nacionais, recuou 2% em igual período.

Ainda assim, as cervejas standard representam 95% da cerveja vendida no país em todo o ano passado. Os dados fazem parte do relatório da Mintel – empresa que atua no setor de pesquisa de mercado e que acaba de chegar ao Brasil –, divulgado nesta terça-feira (27).

O desenvolvimento das cervejas especiais só não é maior devido a alguns entraves, sendo a alta carga tributária uma das maiores barreiras, de acordo com o relatório. “Os impostos no Brasil tendem a ser complexos e os que incidem sobre a cerveja não são exceções. Há quatro impostos sobre esta categoria: PIS, Cofins, IPI e ICMS”, diz o estudo.

Os três primeiros impostos são calculados com base em um “preço de referência”, definido pelo governo, que podem diferir significativamente entre as marcas, destaca a empresa.

“Como regra geral, o preço de referência fiscal tende a beneficiar as grandes marcas nacionais e de maior volume no mercado. Skol, a cerveja mais vendida no Brasil, paga R$ 0,46 por litro em impostos associados ao preço de referência para embalagens de vidro (…). No entanto, o preço de referência fiscal diferenciado para Budweiser (da Ambev) incide em um imposto que chega a ser 121% acima do pago pela Skol, e o preço de referência pode ser extremamente alto para algumas cervejas premium importadas. O caso mais impressionante (…) pode ser encontrado na cerveja Baden Tripel, que paga R$ 14,4 por litro”, indica o relatório.

Para a Mintel, por deterem uma fatia ainda pequena de mercado, as marcas internacionais apresentam as maiores oportunidades de crescimento. “Apesar de preços elevados e alta carga tributária, as marcas internacionais atraem um número cada vez maior de consumidores. Adultos jovens de classe alta representam o segmento com maior probabilidade de liderar o desenvolvimento das marcas internacionais no Brasil”, diz a consultoria.

Na opinião da empresa, marcas internacionais e grandes marcas brasileiras podem coexistir e se complementar, dando força para a categoria de cerveja e protegendo-a da concorrência crescente proveniente das bebidas destiladas e vinhos.

Mercado brasileiro
O Brasil tem uma das maiores taxas de consumo per capita de cerveja na América do Sul (67,4 litros) e se compara com grandes mercados de cerveja como o Reino Unido ou os EUA (64,7 e 75 litros, respectivamente).

O preço médio por litro do mercado brasileiro de cervejas também é elevado, de acordo com a Mintel, estimado em R$ 4,75 ou USD$ 2,84 por litro no varejo em 2011, valor semelhante ao observado nos mercados desenvolvidos de cerveja (nos EUA, por exemplo, o preço é de R$ 4,40 por litro).

“O preço relativamente alto pode ser atribuído à carga tributária da categoria __ que onera até 56% do custo do produto ao invés de se tratar de uma categoria repleta de marcas premium”, diz o estudo.

Para ler mais notícias do G1 Economia, clique em g1.globo.com/economia. Siga também o G1 Economia no Twitter e por RSS.

Mais Economina & Negócies em Domínio do Fato

Negócios

More in Negócios

Informação com independência editorial.

Copyright © 2016 Dominio do Fato