Política

Oposição se mobiliza para ouvir indiciados na operação Porto Seguro

Oposição se mobiliza para ouvir indiciados na operação Porto Seguro

Parlamentares do PSDB, DEM e PPS anunciaram nesta segunda-feira (26) que irão apresentar durante a semana pedidos para ouvir no Congresso servidores indiciados pela Polícia Federal na Operação Porto Seguro, que investigou suposta compra e fraude de pareceres técnicos em diversos órgãos do Executivo. O principal alvo dos requerimentos é a chefe de gabinete do escritório da Presidência em São Paulo, Rosemary Noronha.

Na tarde desta segunda, o líder do PSDB no Senado, Alvaro Dias (PR), protocolou requerimento na Comissão de Fiscalização e Controle para convidar a servidora a dar explicações sobre as suspeitas da PF de que ela recebia favores em troca da intermediação entre autoridades e empresários interessados em negócios com o governo.

Para validar o convite, a comissão deve aprovar o pedido por maioria e o convidado não é obrigado a comparecer. Dias disse que tentará conseguir apoio a partir desta terça para tentar aprovar o pedido. “Esse esquema é oriundo do sistema de promiscuidade do balcão de negócio, do loteamento imoral”, justifica o senador.

Na Câmara, o líder do PSDB, Bruno Araújo (PE), também anunciou que vai apresentar pedido para ouvir a servidora, já demitida, na Comissão Mista de Controle das Atividades de Inteligência.O PPS também deve apresentar um terceiro pedido, mas para que Rose vá à Comissão de Fiscalização Financeira de Controle da Câmara.

O líder do DEM no Senado, José Agripino (RN), que também prepara pedidos, ressaltou a importância de ouvir Rosemary. “Tem que chamar ela, ela tem que vir. Ela é que o foco da questão. Tudo converge para ela. O repositório de informações está com ela. Ela é o centro, as coisas convergiam”, diz o senador, lembrando que ela já sido investigada na CPI dos Cartões Corporativos (2005), por gastos “supérfluos” em nome da Presidência.

Além de Rosemary, o PSDB do Senado apresentou pedido para ouvir na Comissão de Fiscalização e Controle o diretor-presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), Vicente Andreu Guillo e o diretor Paulo Rodrigues Vieira. Segundo a PF, Paulo era encarregado de cooptar servidores. O partido também quer chamar além do auditor do Tribunal de Contas da União em São Paulo, Cyonil da Cunha Borges, que denunciou o suposto esquema à PF.

Na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, o PSDB quer ouvir ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que chefia a PF; o advogado-geral da União Luis Inácio Adams, e seu adjunto, José Weber Holanda Alves, este último, investigado pela operação e já afastado; além da superintendente de Patrimônio da União, Evangelina de Almeida Pinho.

Na Comissão de Infraestrutura, foram apresentados requerimentos para convidar os diretores da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Marcelo Pacheco dos Guaranys e Rubens Carlos Vieira, além do diretor-presidente da Agência de Transportes Aquaviários (Antaq), Tiago Pereira Lima, o chefe de gabinete, Ênio Dias Soares, o procurador-geral, Glauco Alves Cardoso Moreira, e o ouvidor, Jailson Santos Soares.

Na Comissão de Educação, o partido pede para ouvir o consultor jurídico do Ministério da Educação Esmeraldo Malheiros Júnior. O PSDB do Senado também enviou ofício à PF pedindo o inquérito da operação.

Para ler mais notícias do G1 Política, clique em g1.globo.com/politica. Siga também o G1 Política no Twitter e por RSS.

Mais Política em Domínio do Fato

Política

More in Política

Informação com independência editorial.

Copyright © 2016 Dominio do Fato