Mundo

Ex-chanceler israelense Tzipi Livni volta à política com novo partido

Ex-chanceler israelense Tzipi Livni volta à política com novo partido

A ex-ministra israelense das Relações Exteriores e ex-líder do partido centrista Kadima, Tzipi Livni, anunciou nesta terça-feira (27) seu retorno à política e a criação de um novo partido de centro, depois de quase sete meses de ausência.

“Eu decidi voltar à política e criar um partido político que nomeei de ‘O Movimento'”, declarou Livni em uma coletiva de imprensa, a menos de dois meses das eleições de 22 de janeiro de 2013.

Livni, 54 anos, criticou o governo de direita de Benjamin Netanyahu por sua atuação durante as recentes hostilidades em Gaza e na gestão da questão palestina.

A líder de oposição e ex-ministra das Relações Exteriores de Israel, Tzipi Livni, em foto de dezembro de 2009 (Foto: Gil Cohen Magen/Reuters)A líder de oposição e ex-ministra das Relações Exteriores de Israel, Tzipi Livni, em foto de dezembro de 2009 (Foto: Gil Cohen Magen/Reuters)

“Tudo está de cabeça para baixo. Está claro que o Hamas [no poder em Gaza] não enfraqueceu militarmente, ao contrário, foi fortalecido politicamente [pela ofensiva israelense]”, considerou.

“O atual governo está negociando com o Hamas que realizou ataques contra Israel (…) e congela qualquer diálogo com aqueles que tentam impedir os ataques”, acrescentou, em referência à Autoridade Palestina de Mahmoud Abbas.

“Por causa deste mesmo governo, que se recusa a dizer as palavras ‘dois Estados’, nós vamos obter esta semana um Estado na ONU. Nós já tínhamos um Estado do Hamas em Gaza”, lamentou.

Livni reiterou o seu compromisso com um “Estado judeu e democrático”, um mantra para esta experiente diplomata israelense durante o governo de Ehud Olmert, convencida da necessidade de uma divisão territorial com os palestinos para preservar a democracia israelense.

Segundo a imprensa israelense, a nova lista vai incluir seus apoiadores de seu ex-partido de centro-direita e personalidades como o general aposentado Yitzhak Ben Israel e o ex-embaixador israelense na França, Danny Shek.

Demissão em maio
Em 1º de maio, ela anunciou sua demissão do Parlamento, um mês depois de ser derrotada nas primárias do Kadima.

“Israel está em um vulcão. O relógio internacional não para e a existência de Israel como um Estado judeu e democrático está em perigo de morte”, lançou antes de apresentar sua renúncia ao presidente do Parlamento, Reuven Rivlin.

O retorno de Livni ocorre no dia seguinte ao anúncio surpresa da aposentadoria do ministro da Defesa, Ehud Barak, ex-líder do Partido Trabalhista ligado ao chefe do governo Benjamin Netanyahu.

Esta advogada fez sua carreira política no Likud (direita), que deixou no final de 2005 para se juntar a Ariel Sharon, fundador do Kadima.

Ela, então, tomou à frente do Kadima em 2009, substituindo o primeiro-ministro Ehud Olmert, que renunciou após escândalos de corrupção.

Livni, que se apresenta como uma personalidade íntegra, renunciou ao sonho da “Grande Israel” e defende a criação de um Estado palestino ao lado de Israel, mesmo que exigindo a manutenção dos assentamentos israelenses na Cisjordânia ocupada.

Seus críticos a acusam de inexperiência e de não ter a estatura de um líder para a segurança de Israel.

Oscilando entre a pomba e o gavião, ela tinha tomado uma posição mais firme na anterior ofensiva devastadora realizada pelo exército israelense em Gaza contra o Hamas.

Domínio do Fato – Notícias do Mundo Aqui!

Mundo

More in Mundo

  • Barack Obama afirma que “Legalizar a maconha não é a fórmula mágica”

    O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta quinta-feira, durante visita à Jamaica, que legalizar a maconha não...

  • Ataque mata pelo menos 20 em mesquita no Iraque

    Pelo menos 20 pessoas morreram nesta sexta-feira, dia 19, em um ataque à bomba contra uma mesquita sunita ao norte de Bagdá, no Iraque. De acordo com fontes locais, o atentado ocorreu durante a oração do meio-dia e atingiu a mesquita da cidade de Wajihiyah. Outras 40 pessoas ficaram feridas. Ontem à noite,...

  • Representante da ONU no Iraque condena bombardeios e faz apelo por paz

    O representante especial do secretário-geral da ONU no Iraque condenou, nos termos mais fortes, neste domingo, uma série de ataques suicidas, carros-bomba e outros atos violentos. Em nota, Martin Kobler ressalta que os ataques mataram civis e deixaram outras “centenas de pessoas inocentes feridas”. Segundo agências de notícias, pelo menos 30 pessoas morreram...

  • Família de ex-presidente deve processar comandante das Forças Armadas do Egito

    A família do ex-presidente do Egito Mouhamed Mursi, deposto no início do mês, disse hoje (22) que planeja processar o comandante das Forças Armadas do país, general Abdel Fatah Al Sisi, acusando-o de ter “raptado” o ex-chefe de Estado.A filha do presidente deposto, Shaimaa Mursi, disse que a família está “tomando medidas...

  • Cinco pessoas são condenadas à prisão pelo acidente no Costa Concordia

    Quatro tripulantes do navio Costa Concordia e um funcionário da empresa foram condenados à prisão na Itália...

  • ONU precisa de US$ 8,6 bilhões extras para cobrir ações humanitárias em 2013

    A subsecretária-geral da ONU para Assistência Humanitária informou que a organização está à procura de US$ 8,6 bilhões extras para cobrir operações de emergência em 2013. A quantia equivale a mais de R$ 17 bilhões. Em entrevista a jornalistas, nesta quarta-feira em Genebra, Valerie Amos, disse que serão necessários ao todo US$ 13...

  • Premier italiano define como ‘vergonhoso’ ataques a Cecile Kyenge

    O primeiro-ministro da Itália, Enrico Letta, definiu nesta segunda-feira como “uma página vergonhosa” o episódio de racismo envolvendo o senador Roberto Calderoli, do partido Liga Norte, e a ministra da Integração, Cecile Kyenge. “Uma página totalmente vergonhosa. Faço um apelo a Maroni para que vire rapidamente esta página, senão entraremos em uma...

  • Bomba da 2ª Guerra encontrada na Hungria obriga moradores a deixar suas casas

    Pelo menos 10 mil moradores, da cidade de Szekesfehervar, na Hungria, foram retirados dos locais onde vivem por policiais. Os policiais evacuaram a área porque foi encontrada uma bomba da 2ª Guerra Mundial perto de um jardim de infância. A bomba, que tem aproximadamente 100 quilos, é de fabricação da antiga União...

  • Normas de concessão de asilo a Snowden devem ser usadas para senador boliviano

    Brasília – Na tentativa de encerrar o impasse envolvendo o senador de oposição da Bolívia Roger Pinto Molina, de 53 anos, há 13 meses abrigado na Embaixada do Brasil em La Paz, o governo brasileiro deve aplicar os argumentos para a concessão de asilo, aprovados na Cúpula do Mercosul. Há cinco dias,...

Informação com independência editorial.

Copyright © 2016 Dominio do Fato