Entretenimento

‘Casablanca’, a história de amor mais famosa do cinema, completa 70 anos

‘Casablanca’, a história de amor mais famosa do cinema, completa 70 anos

Humphrey Bogart e Ingrid Bergman em 'Casablanca' (Foto: Divulgação/Warner Bros.)Humphrey Bogart e Ingrid Bergman em ‘Casablanca’
(Foto: Divulgação/Warner Bros.)

“Toque outra vez, Sam”, “Nós sempre teremos Paris” ou “O mundo está desmoronando e nós nos apaixonamos” – não é preciso dizer mais nada… Há 70 anos era iniciada “uma grande amizade” entre o público de qualquer geração e a história de amor mais famosa do cinema.

O roteiro de “Casablanca” foi escrito durante uma manifestação, a Segunda Guerra Mundial tinha deixado Hollywood sem galãs e Humphrey Bogart havia entrado no elenco do filme de última hora, substituindo ninguém menos que Ronald Reagan. Ao invés de Ingrid Bergman, os produtores haviam pensando em Hedy Lamarr, enquanto o filme nem sequer seria ambientado no Marrocos, mas em Lisboa.

“Casablanca” nasceu mais como um filme de propaganda política do que como uma história de amor imortal, cujo exotismo seria reconstruído inteiramente nos estúdios. A estação de Paris, por exemplo, foi reciclada de outro filme da Warner, “A estranha passageira”.

A princípio, o filme teria o mesmo título da obra de teatro na qual se baseava, “Everybody comes to Rick’s” (“Todo mundo vem ao Rick’s”), mas essa ideia acabou sendo descartada na tentativa de repetir o mesmo sucesso de “Argélia”, rodado três anos antes.

Assim, a tropeços, um dos filmes com mais momentos inesquecíveis e rememorados do cinema era desenvolvido. O fato é que, com três prêmios Oscar conquistados, uma trama cheia de diálogos inesquecíveis, interpretações antológicas de Bogart e Ingrid Bergman (assim como Claude Rains e Peter Lorre em papéis secundários) e uma música de Max Steiner, “Casablanca” entraria para sempre para a eternidade.

Michael Curtiz, diretor de “As aventuras de Robin Hood” e “A carga da brigada ligeira”, foi o inesperado artífice desse milagre, já que o mesmo também não era citado como primeira opção, e sim o mestre do melodrama William Wyler.

No entanto, essa equipe de “suplentes” encontrou tal sinergia que impôs seu “amor” até ofuscar a Marselhesa, que soava já nos créditos iniciais, e a mensagem de oposição aos nazistas em um projeto que começou a ser idealizado apenas um dia depois do ataque japonês contra Pearl Harbor.

Rick e Ilsa, os amantes que o tempo e a História desejarão separar continuamente, davam ao melodrama clássico de Hollywood um adicional de amargura, arrematado com esse final realista tão pouco acostumado na época. Um amor inoportuno, cuja potência já não poderá vencer as adversidades, mas a mera conveniência. Esse foi um duro golpe para a segunda chance e uma vitória para a derrota.

Dado que Paul Henreid e Claude Rains só chegaram mais tarde aos sets de filmagem devido ao excesso de trabalho no filme anterior, a primeira cena filmada por Bogart e Ingrid foi o encontro no piano, mas, desde então, a química já ficou evidente.

Era um casal perfeito dentro da magia do cinema, já que ele teve que subir em caixotes para ganhar os cinco centímetros que a atriz sueca o tirava. Apesar de a canção que os remetiam ao passado se chamar “As time goes by”, essa cena acabou sendo congelada nas retinas dos cinéfilos.

Cena de 'Casablanca', de 1942, com Humphrey Bogart e Ingrid Bergman (Foto: Divulgação/Warner Bros)Cena de ‘Casablanca’, de 1942, com Paul Henreid e Ingrid Bergman (Foto: Divulgação/Warner Bros)

Tão congelada que tentaram copiá-la em várias ocasiões. Nos anos 40, por exemplo, o filme deveria ganhar uma sequência com Geraldine Fitzgerald no lugar de Ingrid, mas o projeto, então intitulado “Brazzaville”, não acabou indo para frente. Woody Allen a homenageou em grande estilo em “Sonhos de um sedutor”, Steven Soderbergh quase a plagiou em “O segredo de Berlim” e Fernando Trueba fez uma singela referência em “A menina de teus olhos”.

No entanto, nenhuma dessas versões foi capaz de repetir a mesma magia do original, que chegou aos cinemas no dia 26 de novembro de 1942 sem grandes expectativas, mas se transformou em um grande clássico mesmo distante de tentar ser uma grande história de amor. Neste caso, assim como na vida, o amor chega quando menos se espera.

Mais Cultura e Arte em Domínio do Fato

Entretenimento

More in Entretenimento

  • PT criou o ministério da Igualdade Racial para criar problemas

    Disque “N” para matar Monteiro Lobato O governo do PT inventou um ministério, o da Igualdade Racial, para...

  • Anunciados os finalistas para o 46º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro

    Os filmes selecionados para competir no 46º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro foram anunciados hoje (17) pela Secretaria de Cultura do Distrito Federal. O evento será de 17 a 24 de setembro, no antigo endereço, com a reinauguração do Cine Brasília. As 30 produções selecionadas foram avaliadas por comissões durante o...

  • Centro Cultural Correios apresenta festival de dança contemporânea

    Pelo terceiro ano consecutivo, o Centro Cultural Correios, na capital fluminense, vai abrigar o festival Correios em Movimento/Dança em Trânsito, que traça um panorama da dança contemporânea, com a participação de companhias brasileiras e internacionais. As apresentações no Rio vão de amanhã (17) até a próxima segunda-feira (22) e constituem a primeira...

  • Cantor Thiaguinho é internado e suspende shows

    O cantor Thiaguinho foi internado na manhã desta quinta-feira (18) no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo. Segundo boletim médico, o pagodeiro foi diagnosticado com pneumopatia, uma espécia de doença pulmonar, e não tem previsão de alta.O noivo de Fernanda Souza será submetido a  um procedimento para o diagnóstico etiológico e início de...

  • Domínio do Fato Man

    Este é o primeiro artigo da categoria DM Man

  • Morre Sebastião Vasconcelos, o Floriano de ‘Mulheres de Areia’, no RJ

    Morreu na noite de segunda-feira (15), aos 86 anos, o ator Sebastião Vasconcelos. Ele estava internado no...

  • Polícia teria encontrado álcool e substâncias no quarto de Cory Monteith

    Uma grande quantidade de álcool e outras substâncias foram encontradas no quarto de hotel onde Cory Monteith morreu no sábado (13), informou uma fonte ao site E! News. A causa oficial da morte, no entanto, ainda não foi divulgada oficialmente.Monteith, 31 anos, teria saído com os amigos para “pelo menos um clube” em Downtown...

  • J.K.Rowling, autora de Harry Potter, publicou romance sob pseudônimo

    Neste sábado (13/07), J.K.Rowling, famosa criadora da série Harry Potter, revelou ao jornal Telegraph que escreveu secretamente...

  • Necropsia afirma que combinação de heroína e álcool matou ator de ‘Glee’

    De acordo com autoridades canadenses, foi uma mistura letal de heroína e álcool que matou o ator Cory Monteith, da série Glee, no último sábado (16), em hotel em Vancouver, na costa oeste do Canadá. As informações, do site TMZ, são fruto da necropsia realizada no ator na segunda (15).Cory Monteith, 31 anos, ficou...

Informação com independência editorial.

Copyright © 2016 Dominio do Fato